Racismo e Saúde Mental

Cultura Ago 20, 2019

Um estudo realizado pelo Ministério da Saúde e pela Universidade de Brasília (UnB) mostra que em cada 10 suicídios entre adolescentes e jovens brasileiros, seis ocorrem entre a população negra. O estudo que foi divulgado no início de 2019 mostra, ainda, que enquanto a taxa de suicídios entre adolescentes e jovens brancos não teve variação significativa entre os anos de 2012 e 2016, a taxa referente aos negros aumentou em 12% nesse mesmo período – indo de 4,88 a cada cem mil habitantes em 2012 para 5,88 em 2016.

A pesquisa retoma uma questão que é cada vez mais tratada por psicólogos e psicanalistas ao redor do mundo: a relação entre racismo e saúde mental. Em artigo de 2011, os psicólogos André Faro e Marcos Emanoel Pereira chamaram esse impacto de “a desigualdade social da distribuição do estresse”. Segundo eles, “(...) a discriminação racial implica limitações fundamentais na vida dos indivíduos, o que impacta incisivamente na quantidade de estresse experienciada”.

Em entrevista ao Nexo, o psicólogo Valter da Mata afirmou que a principal esfera psicológica atingida pelo racismo é a autoestima. Práticas de racismo explícitas ou veladas, exercidas em ambientes de estudo, trabalho e sociabilização, costumam minimizar, ignorar ou inviabilizar a presença e o valor da pessoa negra. De forma consciente ou não, prossegue da Mata, o indivíduo atingido pelo preconceito passa a interiorizar aquelas concepções deturpadas quanto a si mesmo, aumentando suas chances de desenvolver doenças psíquicas como depressão, ansiedade e baixa autoestima.

A relação danosa entre racismo e saúde mental atinge, segundo da Mata, aqueles elementos psíquicos que aparecem também no estudo do Ministério da Saúde e da UnB anteriormente citado. O estudo destaca a depressão como uma das principais causas para a tentativa de suicídio entre jovens e adolescentes, acompanhada de fatores como violência física, sentimento de não pertencimento, exclusão e não aceitação, seja por parte de um grupo ou por si mesmo. Daí derivaria o fato de as taxas de suicídio serem maiores entre os negros.

A psicóloga Maria Lúcia da Silva levantou, em entrevista à Cult , outro ponto imprescindível à discussão sobre racismo e saúde mental, o mito da democracia racial. Segundo ela, "as humilhações cotidianas vão produzindo marcas no negro. E, com a negação sistemática do Brasil e do brasileiro em relação ao racismo, esse sujeito também sofre algumas distorções na forma como ele mesmo vê a realidade, questionando se aquilo que vive [o preconceito] é real ou imaginário."

Reverter o quadro social de preconceito é o que pode evitar que esse cenário de desigualdade no direito à saúde psíquica da população negra se perpetue. Mas psicólogos, pesquisadores e o próprio Ministério da Saúde entendem que é também responsabilidade dos profissionais dessas áreas se prepararem para atender aqueles que estão sendo vitimados agora.

O Instituto AMMA – Psique e Negritude oferece oficinas e cursos de formação para profissionais da área. E na página do Facebook, divulga rodas de conversa, debates, lançamentos de livros e oficinas relacionados ao tema que acontecem ao redor do país.

Vale destacar, ainda, que no Brasil o racismo é crime inafiançável previsto por lei, e deve ser denunciado – a denúncia pode ser feita em qualquer delegacia.

Além da denúncia, procurar apoio psicológico é importante para minimizar os impactos psicológicos dessa violência. Existem grupos e profissionais preparados para atender quem precisa.

Profissionais e Grupos de Apoio Terapêutico

Instituto AMMA – Psique e Negritude
O instituto possui um corpo de psicólogos e psicanalistas com formação adequada para compreender as especificidades sociais e psicológicas da população negra no Brasil e a relação entre racismo e saúde mental.

CAPS – Centros de Atenção Psicossocial
Os CAPS oferecem atendimento gratuito relacionado à saúde mental, consumo de drogas e álcool e estão distribuídos em várias cidades brasileiras.

Centro de Valorização da Vida – CVV
Apoio emocional gratuito via telefone pelo número 188 (ligação gratuita) ou chat, Skype e e-mail.

Roda Terapêutica das Pretas
Oficinas terapêuticas periódicas para mulheres negras organizadas por psicólogas.

LinkedIn icon Instagram icon Facebook icon Twitter icon
Great! You've successfully subscribed.
Great! Next, complete checkout for full access.
Welcome back! You've successfully signed in.
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.