LGPD: fundamentos e impactos da Lei Geral de Proteção de Dados

Tecnologia Set 08, 2020

A necessidade da Lei Geral de Proteção de Dados é praticamente unânime entre os especialistas em privacidade e direito digital. Quase dois anos depois de ser sancionada, e após certo vai e vem político, tudo indica que agora, em setembro de 2020, a LGPD realmente entrará em vigor.

Neste texto, falaremos sobre os objetivos da lei e como ela deve impactar empresas e usuários.

Navegue pelo conteúdo:

Como nossos dados são usados na internet

Você já deve ter percebido que é cada vez mais difícil acessar um site sem ter que responder ao aviso de “política de cookies”. Essa talvez seja a primeira mudança trazida pela Lei Geral de Proteção de Dados que é percebida pelos usuários.

Os cookies são arquivos trocados entre os sites e o navegador, contendo informações sobre sua navegação naquele endereço. É graças a eles que, por exemplo, sites conseguem nos manter logados mesmo quando saímos da página e que recebemos anúncios personalizados de acordo com nossos hábitos online.

Compartilhar alguns de nossos dados com sites e empresas traz comodidades e melhora nossa experiência na internet. Mas o que essas empresas podem fazer com nossas informações, para além de personalizar a navegação? Na maioria das vezes, não sabemos essa resposta. Não sabemos nem mesmo o que cada site conhece sobre nós, com quem compartilha esses dados e por quanto tempo pode mantê-los.

O que a LGPD pretende é nos dar mais autonomia e controle, para que a gente saiba quais informações pessoais estão salvas por aí e para que elas são usadas.

Princípios estabelecidos pela lei

O objetivo da LGPD é regular o uso de dados pessoais coletados no Brasil por qualquer empresa pública ou privada. Entre seus fundamentos, estão:

  • Respeito à privacidade;
  • Autodeterminação informativa;
  • Liberdade de expressão, de informação, de comunicação e de opinião;
  • Inviolabilidade da intimidade, da honra e da imagem;
  • Os direitos humanos, o livre desenvolvimento da personalidade, a dignidade e o exercício da cidadania pelas pessoas naturais.

Leia também: A situação da blockchain no setor público brasileiro


O que muda para as empresas

Para garantir o respeito a esses fundamentos, as empresas terão que seguir algumas regras de tratamento de dados. Deverão informar com transparência o motivo pelo qual precisam das informações que querem coletar, com quem esses dados serão compartilhados e onde e por quanto tempo eles ficarão armazenados. Caso as especificações aceitas pelos usuários não sejam cumpridas, a empresa pode ser penalizada.

Entre as penalidades possíveis para empresas infratoras, estão:

  • Advertência, com indicação de prazo para adoção de medidas corretivas;
  • Multa simples de até 2%;
  • Multa diária;
  • Publicização da infração após devidamente apurada e confirmada a sua ocorrência;
  • Bloqueio dos dados pessoais a que se refere a infração até a sua regularização;
  • Eliminação dos dados pessoais a que se refere a infração.

Apesar do que pode parecer, alguns especialistas defendem que a LGPD traz vantagens também para as empresas. Segundo eles, o trabalho de mapeamento de dados armazenados e planejamento relacionado às novas coletas de informação irão contribuir para a melhorar a organização e a eficiência das companhias. Sobre o assunto, indicamos este episódio do podcast The Shift, com participação de uma advogada especializada em Direito Digital e do diretor executivo comercial da Embratel para o mercado financeiro.

O que muda para os usuários

Com a LGPD, os usuários terão maior controle sobre seus dados pessoais, já que as empresas serão obrigadas a informar com precisão quais informações desejam acessar, para que, por quanto tempo e com quem poderão compartilhar.

Além disso, todos deverão ter acesso simplificado a qualquer informação armazenada sobre si mesmo, podendo, inclusive, alterar ou até remover seus dados de uma base.

Além de aumentar a autonomia e a segurança pessoais, regulamentar o uso de dados também deve inibir a ocorrência de grandes escândalos como os que vimos nas eleições estadunidenses de 2016 e no Brexit.

Nesses casos, a empresa Cambrigde Analityca utilizou dados de milhões de perfis do Facebook para prever comportamentos e direcionar propagandas políticas para, no primeiro caso, ajudar a eleger o presidente Donald Trump e, no segundo, para conseguir aprovar o plebiscito de saída do Reino Unido da União Europeia. Ou seja, movimentos que causaram grande impacto para o mundo todo.

Histórico da LGPD e situação atual

A Lei Geral de Proteção de Dados foi sancionada em agosto de 2018, com o início da vigência marcado para 18 meses a partir da publicação. Com o término desse prazo, houve tentativa por parte do governo de adiar a entrada da lei em vigor para maio de 2021. O Senado, no entanto, negou o adiamento.

Portanto, a LGPD deve entrar em vigor ainda em setembro de 2020, aguardando apenas a sanção do presidente Jair Bolsonaro. As punições a empresas que não atenderem aos requisitos da lei serão aplicadas apenas a partir de agosto de 2021.

Aguarda-se, também, a constituição da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão que ficará responsável pela fiscalização da LGPD, pela elaboração de diretrizes do Plano Nacional de Proteção de Dados e aplicação das sanções administrativas nas empresas que não cumprirem a lei.

A estrutura da ANPD foi oficializada em 27 de agosto de 2020 – um dia depois de o senado negar o adiamento da LGPD. No entanto, ela só começa a funcionar quando o Presidente da República nomear cinco pessoas para a diretoria do órgão.

Conclusão

O objetivo da LGPD é dar aos cidadãos mais autonomia e controle sobre seus dados pessoais. Para isso, a lei regula o tratamento de dados por empresas, que devem informar com total transparência quais informações querem coletar, para que, por quanto tempo e com quem poderão compartilhá-las.

Depois de muita espera, tudo indica que a LGPD começa a valer em setembro de 2020, aguardando apenas sanção presidencial para entrar em vigor. As penalidades para empresas infratoras, no entanto, serão cobradas apenas a partir de agosto de 2021.

LinkedIn icon Instagram icon Facebook icon Twitter icon
Great! You've successfully subscribed.
Great! Next, complete checkout for full access.
Welcome back! You've successfully signed in.
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
manage cookies