17 de maio: Dia Internacional de Combate à LGBTQIA+fobia

Cultura Mai 14, 2021

O movimento LGBTQIA+ se dedica continuamente a garantir direitos básicos reconhecidos socialmente, afinal, o preconceito e a violência contra essa população ainda existe – em alguns países, pessoas não heterossexuais podem ser até condenadas à morte. O que é a LGBTfobia e por que devemos falar sobre isso? Ao longo do texto abordaremos este tema para celebrar a data de 17 de maio: o Dia Internacional Contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia.

Em 17 de maio de 1990, a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças e problemas relacionados à saúde. Desde então, essa data se tornou uma oportunidade para falar sobre a conscientização da luta pelos direitos dos LGBTQIA+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgêneros, Queer, Intersexo, Assexual e outros grupos e variações de sexualidade e gênero), pela diversidade sexual e contra a violência e o preconceito.

Navegue pelo conteúdo:

O que é LGBTQIA+fobia?

O sufixo "fobia" indica falta de tolerância e aversão a algo e uma de suas aplicações é para indicar discriminação contra grupos minoritários. O termo LGBTfobia se refere, então, à intolerância à população LGBT. Este é um termo recente e é utilizado como forma de ampliar o popular termo "homofobia". Existe uma importância em se dar visibilidade a todos os grupos que compõem a sigla, com o intuito de demonstrar formas específicas de opressão que podem recair sobre cada um deles.  

Violência

O Brasil é um dos países com maiores índices de vítimas da LGBTQIA+fobia. Em levantamento apresentado pelo jornal O Globo, a cada 19 horas uma pessoa LGBT é assassinada – ou se suicida – vítima da LGBTfobia, o que faz do Brasil o campeão mundial desse tipo de crime. Em estudo apresentado pela Fundação Getúlio Vargas, as principais violações denunciadas pela população LGBT, entre 2017 e 2018, foram: violência psicológica, discriminação, violência física e violência institucional.

Discriminação

Entre as diversas violências contra a comunidade LGBT de que se tem registro, a discriminação é uma das principais. O ato de discriminar diz respeito a tratar alguém de maneira parcial, ou segregá-lo, por motivos de diferenças sexuais, raciais ou religiosas. Atos discriminatórios podem acontecer cotidianamente, de maneira velada, e por isso não serem percebidos pela maioria das pessoas. Deixar de ser atendida em um estabelecimento, ter suas queixas minimizadas ou questionadas e até ser expulsa de um local são situações a que pessoas LGBTs podem estar sujeitas.

Saúde mental

Fatores como o preconceito e a não aceitação podem provocar impacto na saúde mental da população LGBT. Viver em ambientes hostis à sua orientação sexual ou identidade de gênero pode fazer com que o sofrimento se intensifique. Em casos mais graves, o risco de suicídio é alto, como aponta reportagem do jornal O Estado de São Paulo.

Mercado de trabalho

Muitas empresas estão mais atentas à inclusão e à diversidade, já que este é um tema relevante socialmente – além de poder gerar retornos para a empresa, como melhorar a criatividade e a competitividade organizacional. Mas para que isso dê certo, as empresas precisam ser transparentes, dizer o que acreditam e orientar suas equipes em relação aos comportamentos esperados. É necessário investir em canais de ética e denúncia, em capacitação das pessoas, desenvolvimento das lideranças e engajamento da rede de parceiros.

Dicas de conteúdos sobre diversidade

Todas as Letras

O Todas as Letras é um podcast da Folha de São Paulo para tratar sobre o tema diversidade. Cada episódio explica o que está por trás de cada uma das letras da sigla LGBTQIA+ e está disponível em todas as plataformas. Com o fim da primeira temporada do podcast, o projeto se desdobrou em um blog da Folha, com o mesmo nome, a tratar sobre diversidade afetiva, sexual e de gênero. O jornalista Renan Sukevicius, que também produzia o podcast, está à frente do blog e nele comenta, semanalmente, notícias relacionadas ao tema.

Diadorim

A Diadorim é uma agência de jornalismo independente e engajada na promoção dos direitos da população LGBT. Em seu site apresentam reportagens, artigos de opinião e entrevistas com personalidades importantes do movimento LGBT no país.

Como a literatura de amor LGBT combate a opressão

A revista Gama fez uma seleção de escritores e escritoras LGBT, cujas obras sofreram algum tipo de apagamento ao longo da história. Mesmo autores consagrados, como Mário de Andrade e Virginia Woolf, "tiveram esse viés de sua vida e literatura empurrados para debaixo do tapete, muitas vezes tratados de forma ambígua ou velada." A lista conta com cinco leituras recomendadas para se ter na estante.

Conclusão

É comum se pensar que, ao longo do tempo, a comunidade LGBTQIA+ está sofrendo menos preconceito. Como esse debate está sendo feito há anos, pode parecer que houve um aumento da aceitação e essa questão pode não ser mais relevante socialmente. No entanto, isso não é verdade. O Dia Internacional Contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia deve ser lembrado para reafirmar que a luta contra a violência e a discriminação é fundamental e deve ser cada vez mais encorajada.

Este é um texto colaborativo, escrito pelos seguintes membros do Comitê de Diversidade da Caiena: João Paulo Gotardo, Larissa Kovelis e Marta Barbieri.

João Paulo Gotardo

Misture o interesse por histórias com a vontade de conhecer culturas diferentes. Acrescente uma dose de aventura e uma pitada de emoção. Leve ao forno até se formar em Psicologia e Gestão de Pessoas!

LinkedIn icon Instagram icon Facebook icon Twitter icon
Great! You've successfully subscribed.
Great! Next, complete checkout for full access.
Welcome back! You've successfully signed in.
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
manage cookies