15 de julho: Dia do Homem

Cultura Jul 14, 2021

Comemorado no Brasil em 15 de julho, desde 1992, o Dia do Homem é ainda uma data pouco conhecida. Então, por que decidimos falar dela? Neste texto vamos aproveitar a data comemorativa para mobilizar um diálogo importante: a construção prejudicial em torno do que é ser um "homem de verdade" e as possibilidades de viver uma masculinidade mais saudável.

Navegue pelo conteúdo:

A caixa dos homens

A caixa dos homens é uma metáfora utilizada para representar as noções de “homem de verdade” que foram construídas ao longo do tempo e baseadas em diversos preconceitos.

Imagine uma caixa contendo todos os comportamentos que um homem deveria seguir para ser aceito em sociedade. Como por exemplo: ser heterossexual, fisicamente apto, corajoso e forte. Inclua ainda a necessidade de não demonstrar emoções, não chorar, não cometer erros e não desistir.

Todas essas expectativas sobre o que é ser homem afetam não apenas de forma individual, mas também coletiva. Muitos dos comportamentos tidos como louváveis são agressivos e levam a casos de violência entre homens e de homens contra mulheres – de acordo com o Atlas da Violência 2020, 91% das vítimas de homicídio são homens. Além disso, a tentativa de se enquadrar ou de se manter no padrão traz inúmeros prejuízos físicos e emocionais ao homem, que pode se encontrar em constante estado de pressão, culpa e solidão.

O incentivo a não mostrar fragilidade é especialmente negativo. Muitas vezes iniciado na infância, pode levar ao bloqueio emocional, quando a pessoa não consegue expressar ou trabalhar suas emoções. Felizmente, existem muitos espaços de acolhimento e de cuidado, como é o caso da terapia, que ajudam o homem a compartilhar e demonstrar emoções positivamente.

Masculinidades

Utilizar o termo masculinidades, no plural, "é a única possibilidade de entender os homens em suas complexidades, ao mesmo tempo em que se produz rupturas com o modelo hegemônico que sustenta a configuração específica sobre quem é homem, negando todos aqueles que se autoproclamam como tal, mas não cumprem os alinhamentos normativos", comenta o psicólogo Diogo Sousa Silva em entrevista à Fiocruz. Considerar que é possível construir sua masculinidade para além da brutalidade esperada, por exemplo, é extrapolar a caixa dos homens, sobre a qual falamos anteriormente.

O termo "masculinidade tóxica" tem sido utilizado para se referir à construção nociva do que é ser homem, que impacta o sujeito em si e as pessoas que estão em seu convívio. Assim, ao falarmos de outras masculinidades, falamos sobre as saudáveis, desejáveis e possíveis de se exercer.

Para Cláudio Serva, fundador do Prazerele, tratar as masculinidades cria uma possibilidade “de você expressar aquilo que você quer expressar, seja o que for, que venha da sua humanidade”.

Construir um amanhã diferente

Um ponto importante é pensar, e colocar em prática, uma nova forma de educar as crianças em vias de construir um futuro diferente. Listamos, a seguir, algumas sugestões de incentivo para que elas exerçam masculinidades saudáveis ou que saibam identificar isso em outras pessoas quando adultas.

1- Procure não diferenciar comportamentos, ações e atitudes como masculinas ou femininas. Estimule, nas crianças, características humanas e desejáveis a todas as pessoas:

▲ Evite expressões que reforçam estereótipos, como “meninos são assim mesmo” e “mulher deve se dar ao respeito”;

▲ Elogie e incentive comportamentos pacíficos e responsáveis, como gestos de carinho com outras pessoas, conversa, compartilhamento e colaboração;

▲ Substitua a ideia de que o homem deve ser cavalheiro com mulheres pela ideia de que eles devem ser gentis com todas as pessoas;

▲ Não rotule brinquedos, objetos ou comportamentos como sendo “de menina” ou “de menino”. É importante oferecer todos os estímulos e ferramentas disponíveis para que as crianças sejam desafiadas e tenham sua criatividade, aprendizado e senso de responsabilidade desenvolvidos;

▲ Inclua a criança nas atividades da casa, ensinando que todas as pessoas são responsáveis pelo espaço no qual convivem. Isso significa não designar atividades ou papéis específicos para homens e mulheres, assim como não dar a entender que homens apenas ajudam mulheres com as tarefas domésticas;

▲ Da mesma maneira, ensine que isso também acontece com relação à manutenção financeira da casa. Em outras palavras, que o trabalho não é uma obrigação ou um direito apenas masculino.

2- Ensine que os sentimentos importam e faça da conversa sobre eles um hábito:

▲ Fale com naturalidade sobre emoções e sobre como está tudo bem demonstrar fragilidade e ser vulnerável, pois são aspectos comuns a todos nós;

▲ Ao perceber que a criança quer chorar, tranquilize-a mostrando que chorar é um direito e não uma fraqueza;

▲ Deixe a criança se expressar como quiser em suas atividades e brincadeiras;

▲ Não utilize expressões pejorativas, como “seja homem”, que dão a entender que demonstrar emoções é algo exclusivo de mulheres;

▲ Ensine a criança a lidar com a agressividade de uma maneira positiva. Ou seja, mostre que há outras emoções e como resolver conflitos de maneira pacífica, com diálogo;  

▲ Reforce a ideia de que todas as pessoas precisam de ajuda umas das outras e que isso não as torna fracas. Incentive que a criança ou o(a) jovem se abra com pessoas em quem confia, incluindo outros homens (amigos, por exemplo), e que fale de suas dificuldades e inseguranças.

3- Converse com a criança sobre o amor e que este sentimento não tem nenhuma relação com violência e dominação. Além disso, incentive relações construtivas entre homens e mulheres:

▲ Mostre à criança que, se ela gosta de outra, deve tratá-la com carinho e respeito. Desencoraje situações em que a violência é justificada com expressões como “ele faz isso porque gosta dela(e)”;

▲ Ensine sobre responsabilidade afetiva que todas as pessoas devem ter umas com as outras. Evite expressões que demonstrem poder do homem sobre outra pessoa, como dizer que o menino “destruirá corações quando crescer”;

▲ Reforce a importância de aceitar as diferenças e respeitar o espaço das pessoas. É importante que a criança aprenda, desde a infância, a necessidade do consentimento tanto para tocar em alguém, como para ser tocada;

▲ Estimule amizade entre meninos e meninas sem outras conotações relacionais que não o coleguismo.

Ao viver uma masculinidade saudável ou conviver com quem a pratica, você demonstra com suas próprias ações os passos que a criança deve seguir ou o comportamento que ela deve esperar e exigir de outros homens.

Comitê de Diversidade

Este texto é uma iniciativa do Comitê de Diversidade da Caiena, que é composto por membros de todos os times da empresa e planeja, periodicamente, ações internas e externas sobre o tema. Conheça mais sobre o Comitê clicando aqui!

Se identificou com os nossos valores? Conheça nossas vagas.

Marta Barbieri

Cientista Social e Assistente de Comunicação na Caiena.

LinkedIn icon Instagram icon Facebook icon Twitter icon
Great! You've successfully subscribed.
Great! Next, complete checkout for full access.
Welcome back! You've successfully signed in.
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
manage cookies